África

Safari no Serengeti – Tanzânia

Para ver de perto a Grande Migração

Quando falo que um dos motivos que me fizeram amar fazer safári na Tanzânia foi a quantidade de animais, o Serengeti é a prova viva de que minhas impressões são reais. Estivemos nesse parque nacional durante o fabuloso evento da Grande Migração, o movimento anual dos gnus e outros herbívoros, e foi inacreditável. São cerca de 1 milhão e meio de gnus (wildebeest), 500 mil zebras, 200 mil gazelas thomson e outros milhares de bichos. Um espetáculo de arrepiar.

Cenas da Grande Migração no sul do Serengeti, em Ndutu

O Serengeti é uma área enorme, com mais de 1.5 milhão de hectares de savana, por isso é preciso escolher bem onde você fará base. Sua experiência está completamente ligada à localização do seu lodge no parque. Me hospedei no &Beyond Serengeti Under Canvas. Um acampamento de luxo semi-permanente que se move pelo Serengeti para acompanhar a jornada da Grande Migração que, com razão, é chamada de “uma das maravilhas do mundo natural”. Quando fomos, final de fevereiro, os animais estavam bem ao sul do parque, próximo ao Lago Ndutu, e era época de parto. Que experiência!

Nossa super tenda no andBeyond Serengeti Under Canvas

Antes, estávamos na Cratera de Ngorongoro (clique aqui para ler o post) que também surpreende pela quantidade de animais, mas principalmente pela beleza surreal do local (que tal fazer safári em uma cratera vulcânica?!). Mas falando em BICHO mesmo, em abundância, para perder a conta, nunca vi nada parecido com o Serengeti. E ainda, de quebra, é possível fazer passeio de balão e avistar toda essa grandiosidade de cima.

Passeio de balão no Serengeti

***

Leia aqui neste post dicas do Serengeti, na Tanzânia. Como são os safáris no parque, quanto custa, como ver a Grande Migração (Great Migration), como chegar (vôos da Coastal Aviation e aeroportos que pousa), onde se hospedar (dicas de hotéis, lodges e detalhes do acampamento de luxo &Beyond Serengeti Under Canvas), melhor época para ir, passeios de balão e muito mais. 


Sobre o lugar

Planície infinita. Esse é o significado de “Serengeti” no idioma Maasai. Considerado uma das paisagens mais magníficas do planeta em termos de grandeza e circulação de grandes animais. Está localizado no norte da Tanzânia, fazendo fronteira com o Quênia. É vizinho da Área de Conservação de Ngorongoro – outro destino tanzaniano fantástico que contei em detalhes aqui.

Nascer do sol no Lago Ndutu, no sul do Serengeti

Veja a localização do parque no mapa abaixo:

Por se tratar de um parque nacional, há taxas para visitá-lo. O valor é de US$142 (Park Fees) + US$3 (Tourism Development Levy) por pessoa.

*** GREAT MIGRATION ***

A Grande Migração é um dos fenômenos naturais mais interessantes do planeta. Tanto que levou a UNESCO a classificar o Serengeti como um Patrimônio da Humanidade. Os gnus (cerca de 1.5 milhão deles) se movimentam em busca de alimento, água e um lugar tranquilo para se reproduzirem. E junto com eles, acabam participando da migração outros animais como zebras e gazelas. E até mesmo os predadores, que vão atrás da comida em abundância. Os gnus (wildebeest) são o prato favorito (leia “fácil de ser caçado”) de vários carnívoros.

A “jornada” acontece em sentido horário. Podemos dizer que começa no sul do parque, próximo ao Lago Ndutu (onde eu fiquei hospedada), onde os gnus têm seus bebês. Isso acontece dos meses de dezembro a abril. Acabaram escolhendo esse lugar para o parto porque não há crocodilos nos rios e lagos e a paisagem é predominada por grama baixa, sendo mais fácil proteger seus filhotes dos predadores, que não têm muito onde se esconder para “dar o bote”.

Em junho e julho, os bichos estão mais concentrados na região do Rio Grumeti. É aí onde você poderá ver cenas espetaculares de milhares de gnus atravessando o rio e sendo atacados por crocodilos.

De agosto a outubro, a Grande Migração chega ao norte do parque e avança para o Quênia, sendo possível presenciá-la na reserva Maasai Mara.

Claro que essas datas são “aproximadas” e podem mudar a cada ano. Natureza, né?! 😉

O nosso camp, &Beyond Serengeti Under Canvas muda de lugar de tempos em tempos acompanhando justamente a Grande Migração.

A Grande Migração no sul do Serengeti, em Ndutu
São aprox. 1.5 milhão de gnus participando da Grande Migração no Serengeti

*** CLIMA – Quando ir? ***

As chuvas acontecem predominantemente de novembro a dezembro & de março a maio. Os meses mais secos então vão de junho a outubrode janeiro a fevereiro.

Não costuma fazer muito frio em nenhuma época do ano no Serengeti, mas durante o inverno as manhãs e as noites são mais frescas. O inverno na Tanzânia vai de abril a setembro e o verão vai de outubro a março.

Fomos no final de fevereiro, fazia um clima perfeito. Mas no dia que chegamos, pegamos uma tempestade ABSURDA, que praticamente alagou o acampamento (bem caótico!). Nos disseram que foi algo incomum e fora de época. O bom é que depois que a tempestade passou, os dias ficaram ainda mais lindos…. Muito céu azul! E o clima bem fresquinho.

Como clima é imprevisível, o importante mesmo é tentar estar no Serengeti na época e lugar certo da Grande Migração.

Dia lindo e azul – mas teve também dia de chuva e céu nublado

*** ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL ***

Eu nunca viajo sem seguro de saúde internacional. Sempre faço o meu pela REAL Seguros e recentemente precisei usar e fui super bem atendida (estava na África, em setembro/16). Após compra online, a apólice chega por email em minutos. Quando você faz seu seguro por aqui, eu ganho uma pequena comissão (você paga a mesma coisa). 

Atenção! O Serengeti é uma zona endêmica de malária. Use repelente, calças e blusas com manga, principalmente de manhã cedo e no fim da tarde, quando há mais mosquitos.

↑ Voltar ao começo do post


Como chegar / Onde ficar

*** VÔOS ***

Não há vôos diretos do Brasil para a Tanzânia. O mais recomendado é ir para Joanesburgo, na África do Sul (vôos diretos de São Paulo com apenas 8:30 de duração), e de lá para Zanzibar (ou para Dar Es Salaam, principal cidade da Tanzânia). Dentro da Tanzânia, fizemos todos os trechos com a COASTAL AVIATION, que é excelente.

Há vôos da Coastal de Zanzibar ou Dar Es Salaam (e de outros “hubs”, como Arusha e Kilimanjaro) para dezeeeeenas de destinos de safáris do país, inclusive para os mais remotos. Fiz um post no blog com todos os detalhes dos trechos que voei com a Coastal – clique aqui para ler.

Como disse, o Serengeti é uma área grande e há vários “aeroportos” (melhor dizendo: pistas de pouso – bem rústicas). Os mais conhecidos são o Grumeti e o Seronera. Nós pousamos no Serengeti-NDUTU, que ficava praticamente ao lado do nosso lodge (que, na verdade, era um acampamento). Antes de comprar o vôo, confira com seu hotel qual é o aeroporto mais próximo, pois não é tão fácil fazer transfers terrestres de longas distâncias dentro do parque.

Aeroportos e pistas de pousos no Serengeti com vôos da Coastal Aviation

*** VISTOS & VACINAS ***

Brasileiros precisam de visto para entrar na Tanzânia, mas a única maneira de tirá-lo é “on-arrival” (na chegada, no próprio aeroporto, e não precisa fazer nada previamente). Apenas leve US$50 em dinheiro, que é o valor do visto por pessoa (levar quantia exata). A vacina contra febre amarela também é obrigatória. – Expliquei melhor aqui no post de Zanzibar, por onde entramos no país.

*** HOTÉIS ***

Nunca imaginei que um acampamento pudesse ser tão luxuoso! 🙂 O &Beyond Serengeti Under Canvas é um “hotel” móvel, que acompanha a Grande Migração dos animais pelo Serengeti. Quando fomos, no final de fevereiro, o hotel estava instalado no sul do parque, próximo ao Lago Ndutu. Completamente integrado à natureza e o mais próximo possível da vida selvagem. Não há cercas e ainda é possível ouvir os animais de dentro da tenda. Experiência única! Sem falar que um dia chegamos do safári e as girafas estavam no nosso “quintal”! rsrs.

O acampamento é formado por apenas 9 tendas + a tenda principal (que é a área comum: lounge + restaurante). Mas não pense que ao dizer acampamento estamos falando de algo roots. Pelo contrário. As tendas são super espaçosas e confortáveis, com banheiro completo dentro, cama king-size com roupa de cama macia, decoração charmosa e serviço de mordomo privativo à disposição. A comida é deliciosa e até te faz esquecer que você está no meio da mata. Servida em pratos de louça, talheres de prata e taças de cristal. À noite, o jantar acontece ao ar livre, ao redor de uma fogueira.

Os detalhes são tantos que o hóspede acaba nem sentindo falta de eletricidade e água corrente. Há tomadas na área principal e nos carros de safári, as duchas são reabastecidas com água quentinha sempre que você pedir e, à noite, ao chegar do jantar, haverá uma bolsa de água quente embaixo do edredom esquentando sua cama. Há internet wifi no camp (pega melhor na tenda principal).

Cabe dizer que todas as refeições e safáris (2 game drives por dia) estão incluídos no valor da diária. Você não precisa se preocupar com muita coisa, nem mesmo com achar os bichos nos passeios. Pois como falei, a quantidade de vida selvagem nessa área é absuuurda. E o camp está justamente localizado no lugar onde você terá a experiência mais intensa e completa.

Nossa tenda no andBeyond Serengeti Under Canvas
O interior da nossa tenda – super luxuosa
Banheiro completo dentro das tendas
Ducha com água quente colocada pelo butler, dentro da tenda
Área comum do camp
Como não é cercado, é comum ver animais bem próximos do acampamento
Área comum do camp – lounge

Restaurante do camp – andBeyond Serengeti Under Canvas
Delícia de noite ao redor da fogueira no andBeyond Serengeti Under Canvas

Há também outros dois lodges lindos (fixos) da &Beyond no parque: Klein’s Camp e Grumeti Serengeti Tented Camp.

>>> Pesquise aqui outras opções de hotéis, lodges e acampamentos no Serengeti.

↑ Voltar ao começo do post


O que fazer / Roteiros

Recomendo ficar de 2 a 3 noites no Serengeti.

O que fazer:

  • Safári (game drives)

Normalmente, os safáris no Serengeti são realizados duas vezes ao dia, nos horários em que os animais estão mais ativos: de manhã cedinho e no fim da tarde. Fizemos com os carros do nosso camp, que eram super confortáveis. Como os carros são grandes (com janelas plásticas que não precisam estar fechadas e teto que se abre para cima) era possível até ficar de pé durante os passeios. Estavam equipados com tomadas para carregar eletrônicos e mantinhas sobre os bancos (nada de passar frio no safári!). Uma coisa bacana do safári no Serengeti é que os carros podem ir off-road, sair das pistas demarcadas e assim chegar mais perto dos animais.

Nosso guia/ranger, Peter, era o máximo. Sabia absolutamente tudo sobre os bichos e estava realmente empenhado em nos mostrar o melhor do Serengeti. Vimos leões e leoas andando, descansando, namorando, voltando da caça, comendo zebras e gnus, cuidando dos bebês… Cheetas (guepardos) ensinando seus filhotes a caçar… Chacais comendo restos deixados por um leão…  Zebras e gnus infinitos cruzando rios… Girafas pertinho do lodge… Ahhh… E muito mais! A palavra “incrível” nem consegue resumir esses safáris!!! Talvez as fotos e vídeos consigam!! Mas já aviso: foi “hardcore”. rsrs. Afinal o que não faltou nesse safári foi bicho comendo outros bichos (e claro que a gente fotografou tudo).

Leoa comendo um gnu

Impossível não reparar nos pequenininhos também! 🙂

Chacal comendo os restos de um gnu deixado por um leão

O carro de safári do &Beyond Serengeti Under Canvas – e o guia Peter bem ali no cantinho
  • Passeio de balão 

Um drone humano! 🙂 É assim que me senti dentro do balão sobrevoando o Serengeti e vendo os animais e toda a natureza de cima. Daquelas experiências que valem cada centavo (no caso, US$600 por pessoa) e que ficam pra vida toda na memória. Fizemos com a empresa Serengeti Balloon Safaris, e pelo que pesquisei, é uma das poucas que atuam lá. Reservamos através do nosso hotel &Beyond, mas também pode ser reservado diretamente. O pick-up no hotel acontece por volta de 5h da manhã e às 6h o balão decola, ainda no escuro. Vemos o sol nascendo lá de cima, assim como os animais correndo.

Se eu não tivesse foto, ficaria difícil de acreditar: VI UM GNU NASCENDO LÁ EMBAIXO! Estava com olhar fixo em um ponto e, “splash”, algo caiu no chão. O zoom da câmera confirmou. Acabava de assistir a um parto! <3 De quebra, ainda tivemos como companheiros de vôo três legítimos Maasais (tribo local – expliquei melhor aqui). Esse foi meu primeiro vôo de balão. Incrível o suficiente para eu querer voar todas as vezes que tiver oportunidade!

Após o pouso, há champagne para comemorar (faz parte da tradição dos balões) e depois, de carro, vamos até um local para tomar café da manhã. Tudo incluído no preço.

Passeio de balão pelo Serengeti
Muitos gnus e zebras vistos de cima!

O parto de gnu que assistimos de cima do balão

Champagne para celebrar o vôo de balão

No caso de hospedagem em lodges/acampamentos na região de Grumeti, também é possível fazer uma excursão para o Lake Victoria (para safáris de canoa, pesca, entre outras atividades).

O que achou do Serengeti? Maravilhoooooso, né?! Vai dizer que esse tanto de bicho não é uma loucura??

Beijos, Lala Rebelo

. Acompanhe minhas viagens ao vivo pelo Instagram @lalarebelo
. Curta minha página no Facebook /lalarebelotravelblog
. Inscreva-se no meu canal no Youtube /lalarebelo

Leia os outros posts da minha viagem pela Tanzânia:

↑ Voltar ao começo do post

Comentários